O crescimento dos negócios e a inovação estão intimamente ligados no mercado de hoje. O cenário de mudança da tecnologia transformou o mundo do trabalho por conta da eficiência em pesquisas, desenvolvimento, operações e entrega.

A tecnologia empregada no mundo do trabalho

A tecnologia permite que as empresas transformem, inovem, mudem e redefinam seus modelos de negócios com ferramentas que, por sua vez, geram sua própria dinâmica. E embora possa abrir as portas para novos concorrentes, também fornece novos mecanismos para lidar com os mercados cada vez mais turbulentos de hoje.

No entanto, a tecnologia também criou questões jurídicas e regulatórias complexas para as empresas e reguladores em nível nacional, regional e internacional que e desafiou a nossa compreensão do mundo do trabalho.

Em um mercado incrivelmente competitivo, empresas de todos os setores do mundo precisam estruturar o relacionamento com os clientes em torno das qualidades essenciais de dinamismo, energia e imaginação.

> Veja também: 5 dicas para ser mais produtivo no home-office

Aqueles que empregam uma abordagem centrada no cliente são capazes de garantir a inovação e os avanços tecnológicos no centro de sua estratégia corporativa, algo que beneficia não apenas a empresa e seus clientes, mas a respectiva indústria da qual fazem parte.

É claro que isso não se limita às corporações com bilhões de reais à sua disposição – o poder da tecnologia transformadora e das estratégias baseadas na inovação são muito importantes para empresas menores e os relacionamentos que mantêm com seus clientes.

Compreender a direção dos mercados, avaliar a viabilidade de novos modelos de negócios e equilibrar caminhos alternativos para o crescimento são um desafio constante. Cada uma dessas forças que se encontram no cenário comercial aumenta a necessidade de agilidade, flexibilidade e visão.


Em um nível operacional, a tecnologia permitiu a criação de novos negócios – como o espaço da Virgin e o negócio de lançamento de satélites, que ela acredita ser a maior parte em crescimento desse mercado, e os negócios OneWeb que criarão um local para turismo no espaço

No outro extremo do espectro, a tecnologia fornece uma plataforma para transformar o modelo de serviço das empresas existentes nas quais a Virgin pode ser uma entrante tardia, mas transformadora.

Da mesma forma, além da análise de dados que a Schroders usa, ela possui tecnologia literalmente extraída da vanguarda da engenharia para lhe dar a vantagem na leitura dos dados dos quais depende a análise interpretativa de mercado eficaz (e competitiva).

Aqui vemos duas empresas – Schroders e Virgin – superficialmente muito diferentes, com fundações literalmente com um século e meio de diferença, tendo um entendimento comum de como a tecnologia é vital e central para seus futuros.

Para as empresas de hoje, a interrupção – de concorrentes, novos participantes, desenvolvimentos de mercado e eventos políticos – é uma realidade constante. A empresa que puder aproveitar melhor ou até mesmo aproveitar a vantagem de tal interrupção provavelmente terá mais sucesso, e um domínio firme de dados e tecnologia e da estrutura legal na qual eles devem operar é uma responsabilidade crítica de GCs (Governantes Corporativos) e CTOs (Chefe de tecnologia de uma empresa).

No contexto europeu, isso inclui a compreensão das crescentes implicações regulatórias da política da UE sobre privacidade e proteção de dados, que provavelmente serão cada vez mais influentes à medida que a tecnologia avança.

As rupturas de nível macro que dominam as manchetes – e certamente existem muitas delas hoje – são frequentemente eventos sobre os quais até mesmo os atores nacionais têm pouco controle, quanto mais empresas individuais.

Para as empresas, porém, geralmente são as mudanças no nível micro – incluindo mudanças nas atitudes públicas ou governamentais em relação à privacidade e alterações nas regulamentações financeiras – que afetam a tomada de decisões.

A Schroders tem que lidar com o desconhecido enquanto conduz seus clientes para a proteção bem-sucedida e o crescimento de seus ativos em mercados que ocasionalmente caem para o caos.

Mas, embora estejamos vivendo na incerteza hoje, as décadas anteriores foram muito mais perturbadoras – do advento da luz elétrica ao automóvel até quase qualquer aspecto da revolução industrial.

O que é diferente desta vez é o ritmo em que as mudanças estão acontecendo – um ritmo que é, obviamente, ativado pela tecnologia.

Você poderia investir em uma rede de hotéis e aparecer o Airbnb, uma empresa de táxi e encontrar o Uber na sua porta, ou um serviço de limpeza e aparecer o Handy. Não é a interrupção, mas o ritmo de interrupção e escalabilidade que a tecnologia permite que é desorientador no mercado e valoriza as empresas com a capacidade (e flexibilidade) de reagir bem.

A escala e o ritmo em que novas ideias de negócios podem ser implementadas realmente mudam as coisas, e é responsabilidade da estrutura legal e regulatória em que a tecnologia evolui para acompanhar o ritmo.

A economia compartilhada é tão transformadora como uma ideia? Não realmente, alguma forma de troca está acontecendo há muito tempo – é só que, com uma plataforma de tecnologia, tudo isso aconteceu aparentemente em um piscar de olhos. E da próxima vez, esse olho provavelmente pertencerá a um robô que sabe o seu nome.

Gostou do artigo? Mande para um amigo e acompanhe mais notícias do nosso blog!

O que você achou disso?

Média da classificação 5 / 5. Número de votos: 1

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Compartilhe.
Avatar de Cristina Leroy Silva

Formada em letras pela UNICURITIBA, Cristina Leroy começou trabalhando na biblioteca da faculdade como uma das estagiárias sênior. Trabalhou como revisora numa grande editora em São Paulo, onde cuidava da parte de curadoria de obras que seriam traduzidas/escritas. A 4 Anos decidiu largar e se dedicar a escrever em seu blog e sites especializados.